domingo, março 30, 2014

O que é Xamanismo?

Xamanismo é um Caminho, é um Tao, e todo Tao que pode ser definido não é o verdadeiro Tao.

Então fique claro que só um (a) praticante pode mesmo entender o que é o Xamanismo, nós aqui no limite das palavras vamos aludir, vamos apontar, vamos dar pistas, sem nenhum pretensão de definir, pois só caminhantes entendem do caminho.

As palavras apontam, mas quem quer ver a estrela não fixa o olhar no dedo que a aponta.

A maior parte das pessoas acredita que Xamanismo é um conjunto de ritos supersticiosos, evocação de espíritos e coisas assim, mas isso é falso, xamanismo é muito mais que isso, Xamanismo é uma abordagem da realidade alternativa a esta que temos hoje, uma forma de se relacionar com outras realidades dentro de paradigmas completamente diferentes.

O que vejo acontecer hoje é o "modismo do xamanismo" esse modismo que a civilização consumista tem como forma de destruir e deturpar o que toca.


O sistema dominante não persegue e mata mais o conhecimento que lhe é ameaçador como na Inquisição ou no Nazismo, age diferente, absorve, contamina com seus valores limitados e devolve como modismo, barato, deturpado, arranca a essência e devolve uma forma insossa.


Qual a origem do Xamanismo?


O Xamanismo vem da origem dos tempos, de antes dela, o Xamanismo foi guardado pelos povos nativos mas não vem dos povos nativos, passou por eles, vem da aurora dos tempos, daquele período misterioso quando o ser humano ainda está surgindo e sabíamos conversar com os animais, com as plantas, com as montanhas e serras, com os rios e lagos, com os ventos, quando contávamos nossos segredos a eles e eles contavam seus segredos para nós, quando vivíamos em harmonia com a Vida e a Vida nos fortalecia.

Os povos nativos também viveram assim, nesta harmonia com a Natureza e com a Vida, por isto o Xamanismo foi um caminho entre eles, foi mantido e desenvolvido em seu seio.

Para falar do Xamanismo precisamos de mito e poesia, pois a palavra do discurso simples é limitada demais para abranger algo tão vasto, esta ARTE, CIÊNCIA, FILOSOFIA e MÍSTICA que de forma generalizada denominamos XAMANISMO.

Qual a origem do termo Xamanismo?

O termo Xamanismo foi consagrado pelo uso, Mircea Eliade em suas pesquisas encontrou no norte da Ásia, na região da Sibéria, homens e mulheres capazes de entrar em transe, de estabelecer uma PONTE, entre este mundo e outro, capazes de curar, de afastar tempestades, guardiães da história oral de seu povo, eram gentes que sabiam andar no mundo das não-gentes e sabiam travar contato efetivo com estas não-gentes e voltavam do seu transe para este mundo e sabiam integrar tudo aquilo na realidade de seus cotidianos.

"Xamãs", assim eram designados no dialeto local e o termo foi incorporado no trabalho de Mircea e se consagrou para definir os yayés, os shabonos, os magistas de várias nações que tem o mesmo poder, ser ponte entre mundos.

O Xamanismo vem de ancestrais civilizações que já existiram na Terra, ao contrário da visão predominante nós acreditamos que a Terra já teve civilizações diversas, de grande desenvolvimento. Civilizações que desenvolveram tecnologias complexas, mas tecnologias brandas, não poluentes, bem diferentes das atuais, por isso, neste campo, deixaram poucos vestígios.

Para nós acontece algo similar como o "Planeta dos Macacos", a civilização dominante tenta a todo custo esconder que os povos escravizados já desenvolveram poderosas civilizações.

Machu Pichu, Tiahuanaco, as ruínas por toda a América Central, Ilha da Páscoa, Stonehenge, Pirâmides no Egito, Angkor, são lembranças desta grande civilização planetária que por alguma razão entrou em colapso há coisa de 10 mil anos atrás.

É desta civilização ancestral que vem grande parte do conhecimento xamânico que é também mantido e desenvolvido pelos povos nativos.

O senso comum que se tem que o Xamanismo é apenas um saber nativo precário é equivocado, precário é o conceito que se tem dos povos nativos.

Xamanismo é uma religião?

O Xamanismo tende a ser encarado como religião.

Para alguns civilizados que tem contato com as propostas do xamanismo pode ser, no sentido de caminho de “religare”, de se colocar novamente conectado a si mesmo, a natureza e a Divindade. Mas em sua origem e estrutura é mais que isso.

Porque etimologicamente religião é "religare", conectar o que está desconectado e os povos nativos não estão desconectados, não estão precisando ser religados, estão em total sintonia com a vida, com a Divindade em todas suas formas.

Da mesma forma que não se "reviveria" o que está vivo, não vamos "religar" o que nunca foi desconectado, assim, para os povos nativos o Xamanismo não é uma religião, pois os povos nativos não precisam de religião, não estão desligados como os civilizados, assim não há o que religar.

Então o que é Xamanismo para o povo nativo?

O Xamanismo para o povo nativo é uma ciência, uma arte, uma filosofia e uma "mística", não é religião, pois quem não está desconectado, quem não está "desligado" não precisa ser "religado".

Esta a falácia, a triste mentira dos pregadores que vão converter os nativos.

Eles chegam com suas religiões de pecado e medo, de conquista e domínio, roubam o paraíso que o nativo já vive e então lhes prometem um paraíso no futuro, rompem o estado de conexão plena e natural com a Divindade que o nativo já possui e oferecem suas divindades geradas a imagem e semelhança do ser humano, sempre no intuito de dominar e gerar servos.

É a continuação das atrocidades da conquista que continua a cada dia.

Nenhum povo nativo precisa de religião ou conversão, já tem a sua, milenar e completa, é uma violência esses pregadores que vão impor suas religiões aos povos nativos, religiões, oriundas de um mundo, que basta olharmos a nossa volta, não resolveu os problemas básicos sociais, ambientais, políticos, econômicos e existenciais e tem a pretensão de se impor a outros um sistema que nem para si mesmo serve.

Xamanismo é um caminho, não uma religião, porque religião no mundo de hoje é algo muito perdido, instrumento para homens e mulheres dominarem homens e mulheres, justificativa para guerras, para atrocidades, o nativo não precisou de nada disso, o xamanismo não trilha esses caminhos de mentira, então não podemos chamar algo tão amplo e complexo como o xamanismo de religião que tem se mostrado algo tão limitado.

Ser Xamã hoje está na moda?

Hoje a moda do Xamanismo é "chamar o animal de poder", então se convencionou que basta tocar um tambor ou ouvir o som gravado de um e entrar em alfa e pronto, em coisa de meia hora se imagina uma animal, geralmente um animal fashion e pronto, descobriu seu animal de poder. Isto é uma grande tolice, inverdade, mentira, é mais uma bobeira que criaram para manter o ser humano nesse simulacro de vida, com simulacros de vivências.

O civilizado já roubou as terras do nativo, depois roubou sua alma, depois roubou sua história, agora rouba suas práticas e as falseia.

Eu afirmo, como Xamã, que isto é falso, que nada tem a ver com a profunda e transformadora experiência que é ir ao animal de poder, porque não "temos" um animal de poder, somos nosso animal como este animal é a gente, numa relação muito complexa onde descobrimos que somos seres que existimos em muitas facetas e dimensões diferentes simultaneamente.

Um aprendizado que requer anos de preparo para não esfacelar nossa psique, mas que bem elaborado vai ser integrado a nossa realidade existencial e nos fazer mais fortes e livres da Matrix onde fomos inseridos.

Despertar nosso animal de poder é uma experiência avassaladora que muda toda a vida da gente, não pode ser gerada dentro de uma sala, de um salão com mais dez pessoas e um só "facilitador" brincando de xamã.

Um animal de poder é evocado em um rito, num lugar ermo, com grande fogueira que não pode se apagar durante todo o rito, quem vai ritualizar jejuou, suou, já se harmonizou com sua árvore de poder, sua pedra de poder e só então vai percorrer a perigosa trilha até o animal de poder.

Mas hoje existe o que chamo de xamanismo "fast food" e simplificam tudo.

Confundem experiências psicológicas com experiências espirituais, tem seu valor, mas vamos deixar claro, experiências catárticas psicológicas não são experiências espirituais.

A civilização tecnológica por ter gerado suas máquinas e seus brinquedos de conforto tem a pretensão em ser o ápice do desenvolvimento humano.

O Xamanismo ri disso, enquanto a Nasa gasta milhões para suas naves, Xamãs viajam pelas dimensões da realidade usando meios bem mais simples mas não menos reais.

As tradições xamânicas têm sua práxis e complexidade como as universidades modernas o têm.

O saber xamânico também exige estudo, disciplina e experimentação.

Apenas diferimos, enquanto o cientista fica trancado em seu laboratório o(a) xamã tem na vida seu campo de estudo e experimentação.

Os povos nativos tem uma harmonia fantástica com a Vida, com a Terra como ser vivo, com a Natureza, harmonia que perdemos completamente, primeiro pelas religiões que afastaram nosso contato com a Vida e a Natureza, depois pela revolução industrial que para atingir seus fins, "coisificou" tudo, arrancando da natureza sua condição de ser vivo e consciente e limitando a mesma a "fornecedora de matérias primas".

O Xamanismo é uma abordagem orgânica da vida, do fenômeno de estar vivo e da vida como campo cognitivo.

E Carlos Castaneda?

A atual onda de interesse pelo xamanismo deve sem dúvida muito ao Doutor Carlos Castaneda.

Embora grande parte de suas obras não sejam reconhecidas pelos círculos antropológicos mais ortodoxos é graças a obra deste notável cientista que o mundo contemporâneo, empenhado numa campanha sistemática de extermínio dos povos nativos, não só fisicamente, como também os apagando da história com avaliações superficiais e patéticas de suas tradições, começou a rever o papel desses homens e mulheres que merecem uma reavaliação profunda de tudo que foi dito e escrito sobre eles.

Carlos Castaneda é um dos mais profundos e inovadores pensadores do século XX, suas obras escapam da mesmice do ocultismo europeu e orientalista até então em voga e apresentam uma nova descrição de mundo que segundo o autor lhe foi revelada por um grupo de herdeiros de uma antiga civilização que viveu no México Central, uma tradição que ele chama de Toltecas, deixando claro que pouco tem a ver com os Toltecas enquanto nação.

Há uma elegância e coerência nas idéias apresentadas no decorrer das obras do Doutor Carlos Castaneda que colocam suas teorias naquela condição que os físicos e cientistas em geral apontam para validar uma teoria, ampla, abrangente, elegante e resistente a inquirições de vários ângulos.

Dr. Deepak Chopra coloca: "Carlos Castaneda foi um dos pensadores mais profundos e influentes do século XX. Suas idéias estão definindo a direção da futura evolução da consciência humana. Todos nós lhe devemos muito".

O Xamanismo e as nações indígenas devem muito a este cientista, mas o Xamanismo apresentado pelo Doutor Castaneda representa uma vertente, existem muitos outros movimentos xamânicos em ação no mundo contemporâneo.

Existem ramificações no Xamanismo?

O Xamanismo vai mais além, é uma vasta árvore, com frondosa copa, de muitos galhos e ramificações.

Existem ramos de xamanismo de cura, dança, canto, música, contos, lendas, existem abordagens diferentes de como se aproximar do xamanismo e de como trilhar o caminho, de acordo com a Tradição que o apresenta.

Quais os princípios do Xamanismo?

O Xamanismo está profundamente ligado a natureza, assim, se formos falar de princípios do Xamanismo um deles será um elo com a natureza, uma postura ecológica constante, uma relação de respeito e igualdade com tudo que é vivo, um tratar dos animais e plantas como iguais, num nível que o civilizado tem dificuldade de entender.

O Xamanismo celebra a vida, os ciclos da natureza, mas o celebrar do xamanismo não é adorar, não é prestar culto ou submissão a um ente superior, para o Xamanismo tudo está interligado, assim tudo é igualmente sagrado, um (a) Xamã se ajoelhando na terra não estará demonstrando "temor" a um ente superior, está se aninhando no seio da Mãe, se aconchegando na fonte de onde tudo provém, a Mãe Terra.

Como posso me tornar um Xamã?

Muitas pessoas podem se perguntar: como posso me tornar um Xamã? Depende da tradição.

Um Xamã via de regra é escolhido por sinais, sinais que nascem da natureza, do meio onde vive.

Existem muitos caminhos, alguns ficam doentes, tem problemas sérios e então entidades mágicas e forças especiais vem em seu auxilio, quando estão curados descobrem que podem ser estas pontes e é isto que os xamãs são, pontes, seres capazes de entrar e sair deste mundo.

Depois vem a habilidade de curar, de encantar, enfim, habilidades diversas que demonstram a condição de xamã.

Outros (as) são aceitos(as) como aprendizes por quem já trilha o caminho e recebem aprendizado formal.

Aprendem a lidar com ervas, a curar, a encantar, a se comunicar com os animais, a tirar seu poder da natureza e com ele realizar magias diversas.

Outras tradições consideram que não está na esfera do humano escolher quem vai ou não ser Xamã, só sinais impessoais, vindos da própria Natureza podem indicar quem está pronto e quem não está para isso.

Mas tornar-se Xamã é um caminho longo, lento, para a vida inteira, assim o que não podemos é cair no charlatanismo dos que "vendem" iniciação, como tenho visto por aí, vendendo fases de iniciação, cada uma a um preço bem salgado, isto é puro charlatanismo, é querer lucrar com a ingenuidade e boa fé alheia.

Pode-se dar um Curso de Xamanismo e mesmo cobrar por isso, mas lembrar que assim como quem faz um curso sobre dietética pode aprender a se alimentar melhor, mas não vai se tornar um nutricionista com o curso, quem faz um curso sobre Xamanismo pode aprender a usar vários conhecimentos xamânicos para viver melhor, mas não vai se tornar um Xamã com isso.

Ninguém pode tornar ninguém Xamã, como ninguém torna ninguém artista, o máximo que fazemos é ajudar a desabrochar e como no caso do (a) artista, um(a) outro (a) mais experiente, pode transmitir as técnicas que vão apurar o talento já existente, mas ninguém gera um artista, as forças que geram um(a) artista ou um (a) Xamã, nascem além da esfera humana e não temos nenhum controle sobre as mesmas.

Cada pessoa, de acordo com sua afinidade vai se aproximar de forma diferente e trilhar de forma distinta o Caminho, que como todo TAO se adapta ao caminhante tanto quanto o caminhante se adapta ao Caminho.

Há um dito antigo que serve a todo buscador sincero:

"Quando queremos sinceramente nos pôr a caminho para a grande busca, o nosso objetivo, com igual ímpeto se põe em nossa busca e com o mesmo ímpeto que buscamos nosso objetivo, ele nos buscará."



Nuvem que passa
 
Fonte:   http://pistasdocaminho.blogspot.pt/2008/08/o-que-xamanismo.html

sexta-feira, março 28, 2014

SAVIEZ-VOUS QUE LE CANCER PEUT ÊTRE ANALYSÉ TANT D'UN POINT DE VUE MÉDICAL QUE SPIRITUEL?


En effet, le cancer, au même titre que les autres maladies, a un aspect spirituel dont le but est de nous aider à changer notre vision de cette maladie qui fait tant de ravages.

J'ai effectué une recherche active à ce sujet et je suis maintenant convaincue qu'il n'y a pas de hasard si cette maladie prend de l'ampleur malgré les recherches scientifiques et le taux de guérison qui s'améliore.

Cette maladie est devenue une sorte d'épidémie dans tous les pays plus développés. Pourquoi? Parce qu'avec l'avènement de l'ère du Verseau, qui a débuté il y a une cinquantaine d'années, on doit se diriger vers l'amour véritable au lieu de laisser nos peurs nous diriger. LE CANCER N'EST QU'UNE MALADIE D'AMOUR BLESSÉ. Mais pourquoi certaines personnes qui ont manqué d'amour et qui ne savent pas s'aimer véritablement n'ont jamais le cancer?

Le sujet principal de mon dernier est celui du cancer et de sa cause profonde. Suite à mes observations et à mes rencontres avec des milliers de personnes qui ont dû affronter le cancer, j'en suis venue à la conclusion suivante : les personnes qui nient complètement leur douleur due à leur manque d'amour sont les plus propices à avoir cette maladie. Leur blessure de rejet les empêche d'admettre ce manque d'amour.

Si vous vous reconnaissez, dites-vous que chaque fois que vous niez que quelque chose ou quelqu'un vous dérange ou vous fait de la peine, c'est parce que vous vivez intensément une blessure de rejet. Vous vous faites croire qu'une situation ou une personne ne vous dérange pas. Vous parlez des difficultés de votre enfance, de l'injustice de vos parents et même de leur cruauté envers vous sans émotion. Vous croyez que ne regarder que le bon côté des choses fait de vous une personne optimiste. Vous croyez que vous vous en êtes quand même bien sorti et que c'est pour cette raison que vous êtes une personne plus forte. Les gens qui ont un cancer ont une force extraordinaire pour tout refouler en eux et peuvent même déformer la réalité.

Il faut savoir que la blessure de rejet est activée dès la naissance par une situation vécue avec le parent du même sexe. C'est la blessure qui fait le plus mal. Cette douleur, refoulée depuis si longtemps, ronge une personne de l'intérieur et prend de plus en plus d'ampleur jusqu'à en devenir de la haine refoulée envers le parent du même sexe. Toutes les personnes avec qui on ressent du rejet par la suite ne sont que le reflet de ce qui a été vécu avec le parent du même sexe. Chaque fois qu'on se rejette, on se traite de nul. Ceci amplifie la rancune qui devient de la haine.

Vous trouverez tous les détails de cette blessure dans le livre Les cinq blessures qui empêchent d'être soi-même, ainsi que dans mon livre Le cancer, un livre qui donne de l'espoir.

Le cancer se manifeste chez les personnes qui n'arrivent plus à nier ni à refouler leur manque d'amour. Ils perdent le contrôle et le cancer apparaît. Je vous rappelle que toute maladie n'est que la manifestation physique de tout ce qui se passe en nous au plan psychologique. D'ailleurs, le cancer est caractérisé par des cellules qui ne cessent de se reproduire au lieu d'arrêter quand elles le devraient (perte de contrôle). Elles dévorent donc les cellules saines avoisinantes.

Beaucoup de personnes en sont affectées parce qu'il est devenu urgent pour elles, comme pour nous tous, d'apprendre à s'aimer plutôt que de se rejeter et vouloir se changer, tout comme elles auraient voulu changer leur parent du même sexe. Le cancer est donc un message spirituel. C'est l'âme qui crie AU SECOURS parce qu'elle a besoin d'amour. Le DIEU intérieur de quelqu'un qui a nié cet appel depuis sa tendre enfance finit par attirer son attention avec une maladie plus importante, voire mortelle puisqu'il ne souhaite que son bonheur.

Plus la blessure de rejet prend de l'ampleur, plus on vit dans la peur et le déni. Si vous avez un cancer et que vous souhaitez retrouver la santé, il faut commencer par prendre les moyens nécessaires pour ressentir tout ce que cette grande douleur vous a fait vivre depuis si longtemps. Il faut oser admettre que vous en avez beaucoup voulu à votre parent du même sexe et que vous vous en voulez autant d'être comme ce parent, même si vous faites tout pour être le contraire. C'est votre ego qui vous fait croire que vous n'êtes pas comme ce parent.

Ensuite, il vous faut reconnaître que les manifestations de rejet ne sont que des expressions de limites. Prenons l'exemple d'une mère qui donne son enfant à l'adoption à sa naissance. Est-elle en train de dire qu'elle n'aime pas cet enfant? Non. Elle ne fait qu'exprimer ses limites. Elle ne se croit pas capable de s'occuper de cet enfant à cause de la situation dans laquelle elle se trouve au moment de sa naissance.

Lorsque vous ne voulez pas être comme votre parent du même sexe, vous le rejetez. Est-ce parce que vous ne l'aimez pas? Au contraire, vous voudriez tellement vous sentir aimé de ce parent que vous préférez le rejeter plutôt que de continuer à être déçu de ne pas être aimé selon vos attentes. Vous pensez à votre survie, tout simplement. Vous n'êtes donc pas une personne méchante, tout comme ceux qui semblent vous rejeter ne le sont pas non plus.

Pour guérir, il faut se pardonner véritablement. J'ai traité de ce sujet dans plusieurs articles, livres et ateliers. Ce n'est qu'avec la réconciliation avec votre parent du même sexe (dans le cas du cancer) et le pardon de vous-même que vous pouvez espérer un revirement radical.

Jumelez ce travail intérieur et spirituel à un traitement physique et l'espoir sera au rendez-vous. 

Avec amour,

Lise Bourbeau
Infolettre d'Écoute ton corps #137
http://www.ecoutetoncorps.com/fr/ 

segunda-feira, março 24, 2014

Reestruturação emocional: um caminho para a liberdade pessoal - Escola Psicologia



As emoções estão no epicentro da nossa vida, permitem-nos sentir o mundo, estabelecer uma relação com aquilo que existe ao nosso redor e receber informações que nos permitem estruturarmos ideias acerca de tudo aquilo que nos é significativo. É na interrelação com o mundo, com os outros e conosco mesmos que a nossa vida se manifesta. Quando aquilo que perspectivamos e queremos alcançar não acontece, as emoções fazem-se sentir, usualmente na forma de sensações incómodas no corpo, que nos geram sentimentos, e esses sentimentos quando interpretados de forma catastrófica e exacerbada provocam dor emocional. Se a pessoa, por um período alargado se cola demasiado à sua dor, usualmente dá-se uma dupla fusão. Ou seja, a pessoa funde-se aos seus sentimentos negativos e igualmente às suas avaliações negativas acerca da sua vida. Nesse exato momento a dor emocional transforma-se em sofrimento emocional.

Crenças limitantes à reestruturação emocional

A grande maioria de nós somos levados a construir crenças limitantes que dificultam a vida e o desenvolvimento pessoal, atuando como pedras nos nossos sapatos, que aqui e ali nos dificultam o caminho. E não são apenas as crenças religiosas ou ideológicas. Todos os seres humanos, sem exceção, carregamos dentro de nós uma “lista de ideias” (estejamos cientes disso ou não) sobre as quais baseamos as regras de comportamento e de relações com os outros e conosco mesmos. Note-se que provavelmente a maneira como você se relaciona com os outros é apenas um reflexo de como você está agindo em relação a si mesmo.
O objetivo deste artigo é esclarecê-lo acerca de algumas crenças pejorativas que você transporta e que pode aprender a detetar, para em seguida ter a oportunidade (liberdade) para neutralizá-las e/ou reestruturá-las de acordo com o seu caso específico. Usualmente tendemos a não ver o que sempre vemos. Por outras palavras, aquilo que se tornou num hábito, tomou a liberdade de agir por nós (retirando a nossa liberdade). Algumas dessas crenças transformam-se em formas de pensarmos e agirmos, que damos por certo, dirigindo a nossa vida em piloto automático, embora isto aconteça assim por não pensarmos que poderia haver outras formas de pensar e agir.

Vídeo: Desapego do sofrimento emocional

Com intenção de complementar este artigo, preparei um vídeo onde falo sobre formas funcionais que podem contribuir para o desapego do sofrimento emocional. Explico ainda a diferença entre dor emocional e sofrimento emocional, e como saber distinguir ambos pode contribuir para a facilitação da reestruturação emocional.
Link do Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=JAuZGimBa2U
Em seguida apresento os três principais grupos de crenças que importam ser trabalhadas para a reestruturação emocional:

Crenças sobre os pensamentos (conteúdos do pensamento)

Por vezes, o que mais incómodo nos causa é estarmos a ter um determinado pensamento negativo e não querermos estar a tê-lo. Na verdade, no exato momento que esse pensamento nos chega à mente, nada está a acontecer, tudo está a ser desenvolvido na mente. O que importa fazer, é ter a noção que você não é o seu pensamento. E ser capaz de deixar de identificar-se com esse padrão de pensamentos intrusivos e incómodos e não se perturbar, principalmente se esses pensamentos não estão de acordo com a sua forma de olhar a vida, com os seu valores e objetivos.
Não se trata de ignorar esses pensamentos, até porque eles fazem-se sentir fazendo disparar determinados sentimentos e preocupações. O que se trata é de observar a sua experiência interna, sem julgamento ou ação, sem envolvimento. Pode facilitar descrever em voz silenciosa, para você mesmo, o que está a sentir e que pensamentos estão a passar na sua mente. Se fizer este exercício irá perceber que ao mesmo tempo que observa os seus pensamentos e consequentemente os seus sentimentos, alguém está a observar essa sua experiência, esse alguém é você mesmo. Percebeu agora, se você observa os seus pensamentos e sentimentos, não se resume a eles, você é quem pode estar no comando. Você é quem pode decidir se aquilo que lhe passa na mente lhe serve, ou se é apenas uma experiência que está a acontecer mas que não se identifica com ela, e não a toma como sua.
Não se trata de forçar-se a aceitar as situações ou tão pouco gostar dos acontecimentos desagradáveis. Trata-se de perceber que ficar ressentido, com raiva, rancoroso ou excessivamente abatido nada de positivo acontece. Trata-se de entender a realidade dos fatos enquanto acontecimentos que ocorreram, e canalizar a sua energia, não para ações reativas e excessivamente emocionais, mas sim para ações que possam solucionar o melhor possível os contratempos que surgiram na sua vida, sem deixar paralisar-se por eles. Percebendo que o retorno dessas ações orientadas para a solução irão fazê-lo sentir-se melhor, e pouco a pouco, irá sentir-se restabelecido.
Não se trata de submeter-se aos acontecimentos, mas sim encontrar paz interior suficiente através da aceitação daquilo que está a sentir, seja o que for que sente, e perceber que não vai deixar orientar-se e condicionar-se por aquilo que se atravessou na sua vida (ou seja, as emoções que sente em consequência dos acontecimentos).
Não se trata de lutar ou fugir da desordem e falta de controle, mas sim perceber que ter o controle de tudo é impossível e, que para não ficar paralisado pela necessidade de controle importa aceitar a situação para conseguir transcendê-la. E não pode haver paz interior quando quando se sente o desejo compulsivo de ter de controlar todas as situações, nem se pode amar verdadeiramente quando se precisa de manipular os outros para “ser feliz” e que não se pode amar a nós mesmos quando não se permite sentir o que se sente a cada momento.

Crenças sobre as emoções (equilíbrio emocional)

Não podemos não sentir as nossas emoções. Não devemos querer deixar de sentir dor emocional, ou medo, ou ansiedade. Trata-se sim de deixar de derramar o veneno da culpa e o ácido da crítica e da vitimização nas feridas emocionais, quando a dor se manifesta na própria pessoa. Trata-se de deixar de colocar o dedo na ferida para que esta não se torne em sofrimento. Importa perceber que aquilo que usualmente nos assusta no momento presente são as memórias do sofrimento emocional que inconscientemente (sem ter noção) se experienciou no passado, ao tentar fugir ou ignorar (inutilmente) as emoções que não queríamos sentir. Este cenário pode igualmente acontecer relativamente a eventos que se vivem no momento presente que fazem disparar as emoções que nos atormentam diariamente. Não tente fugir das suas emoções, tente entender que elas não são suas inimigas, mas suas aliadas, que se manifestam para ajudá-lo a recuperar o equilíbrio interior perdido.
Não tente controlar as suas emoções ou aprisioná-las, ao invés aprenda a ler, interpretar e gerenciá-las adequadamente, interagindo com elas, a partir de uma perspectiva mais saudável. Gerenciar as emoções não significa ter que exteriorizá-las a todo o momento, ou ignorá-las, mas sim permitir-se a senti-las totalmente, deixando-as fluir livremente, sem julgamento. Deixe-se ficar com elas sem agir sobre elas, até que se sinta equilibrado para pensar e agir de acordo com os seus valores e objetivos.
Numa primeira fase, quando está a experienciar as suas emoções negativas e mais intensas, não se force a ser positivo, mas tenha uma atitude virada para a compreensão do que está a acontecer no seu interior, sem julgamento, ou etiquetas, ou culpa, evitando assim entorpecer a sua mente com medos, inseguranças, rancores e mal-entendidos. Aceite o fato de poder estar a sentir emoções intensas, escute-as, perceba a ligação que têm com o significado da sua interpretação acerca dos fatos. Depois, numa segunda fase, quando já percebeu essa ligação, coloque-se num estado e atitude positiva e encontre uma forma de agir e pensar que possa beneficiá-lo.
A perda, fracasso e consequentemente a dor física e emocional são uma parte natural da vida que importa saber aceitar, não é, em nenhum sentido, uma forma de resignação, mas sim olhar a realidade como ela se manifesta em nós, na nossa condição humana.
equilibrio

Crenças sobre a mudança ou crescimento pessoal (autoconsciência)

Na verdade, o processo de melhoria de nós mesmos ou crescimento pessoal não funciona quando nos propomos a um esforço para nos mudarmos. Trata-se sim de mudarmos algumas das nossas formas de agir, de pensar ou até mesmo mudar a perspectiva de avaliação dos acontecimentos de vida. Aprofundei este assunto no artigo: Não mude a si mesmo, mude os seus comportamentos. Não se trata de fazer um esforço para mudar internamente (mudar a si mesmo), ou forçar-se a ser algo (ou a não ser), mas sim saber observar o que o limita, o que lhe dificulta a obtenção dos objetivos e sonhos, e em seguida, a mudança começará a expressar-se sem que você negue a si mesmo.
Importa perceber que comportamentos, atitudes, formas de pensar e formas de avaliar as situações beneficiam de melhoria, sem que necessariamente se anule, se culpabilize, se vitimize, mande a sua autoestima abaixo, ou fale mal de você mesmo. Mude o que tiver que mudar sem colocar uma carga negativa sobre si. Mude a expressão do seu ser sem se prejudicar ou criticar negativamente. Olhe-se como um ser que pode ir melhorando, sem que anule ou critique negativamente a sua versão anterior. Atualize-se, engrandeça-se, mas sem se diminuir enquanto ser humano. Deixe-se florescer, sem ser escravo do seu ego, do seu passado, das suas perdas, das suas angústias, dos seus fracassos e construa um caminho para a liberdade pessoal.
  • Não se culpe pelo que aconteceu, mas aceite a responsabilidade, se acha que é responsável pelo que aconteceu.
  • Não se crucifique ou julgue por ser o que é, avance devagar no polimento de algumas áreas do seu ser que necessitam ser melhoradas, como se fosse uma estátua presa num bloco de mármore .
  • Não tente dar a impressão de ser forte para os outros ou para si mesmo, mas aceite humildemente as suas áreas vulneráveis (por exemplo sentir medo de algo), em seguida, trabalhe na superação dessa fraqueza.
  • Não se trata de ter que implementar conceitos mentais, mas estar plenamente conscientes deles, do seu significado, porque quando você realmente entender algo, isso passa a fazer parte de você, faz alargar os limites da sua consciência.
  • Não tente mudar a si mesmo (deixar de ser você), mas deixe-se ser o que é, sendo sempre verdadeiro, sem máscaras ou condições que mascaram a sua personalidade (pelo menos para você mesmo). Se aquilo que você é precisar de ser melhorado, melhore isso.
Abraço,
Miguel Lucas

Reestruturação emocional: um caminho para a liberdade pessoal
http://www.escolapsicologia.com/reestruturacao-emocional-um-caminho-para-a-liberdade-pessoal/

sábado, março 22, 2014

9 Amazingly Simple Action Steps That Will Make You Feel Better

Simple Ways To Create Happiness From the Inside Out

by JOHN WHITEMAN

"Raise your energy vibration by taking little steps each day, creating a path toward a better feeling state." - John Whiteman
“If You Feel Good, Life is Good.” Happiness can be achieved by connecting with how you feel in the moment and then with this fresh awareness, you can raise your energy vibration by taking little steps each day, creating a path toward a better feeling state.
I use 9 simple action steps each day, which work like a prescription for feeling fantastic. In my book, 9 Days to Feel Fantastic I present a step by step plan for balancing your body from the inside out.   When you do not feel good, I have found that it is because you are missing one or more of these elements. By re-introducing them into your life, your body gains the balance and momentum it needs to start feeling fantastic again.   
Here are 9 Tips to Feel Fantastic Now
1.      Get Some Exercise: The energy in your body is similar to that of the flow of a river. When you do not stimulate it through movement your energy begins to stagnate. Exercise has a very strong impact on how you feel. It may be running, dancing, biking, it doesn’t really matter what aerobic exercise it is, just as long as you bring some form of movement into your day. This will have a direct impact on how you feel. Try connecting with how you feel after you have exercised instead of how you feel before, as this will give you a springboard to feeling fantastic.
2.     Create Stillness: In our busy lives we can easily get caught up in a state of rushing. Consciously creating stillness for 5 minutes each day creates a calm centered feeling that flavors your entire day. Look to take 5 minutes each day to consciously connect with your breath; this will help you to let go of the pressure that builds up when you are busy, helping you to feel more relaxed.
3.     Get More Sleep:  Rejuvenate your mind, body and spirit with a great night’s sleep. It will allow you to completely let go of your day and feel re-energized to start another.
4.     Eat Natural Foods: How we fuel ourselves impacts how we feel. Eating and drinking fresh and natural foods as close to the source as possible gives you the energy and balance needed to feel your best.
5.     Clean Up Your Environment: Where you live, your home, your work, the weather, the seasons, the cycle of the moon and the tides, all have an impact on how you feel. Take some time today to notice how your different environments make you feel, and then look to spend time in a better feeling environment.
6.     Take A Step Toward Your Dream: We all need momentum in our lives and what better momentum can anyone give themselves than to move one step each day toward living a dream they have. The smallest of things in each and every day can bring so much joy to a person’s life. What Special Moments can you notice today? When you spend a life collecting Special Moments your life becomes Special.
7.     Learn Something New: Children learn fresh and exciting things each and every day. What is something you can do today which is fresh, maybe spontaneous and exciting? A mind, which is alive, gives life. 
8.     Call A Friend: Surrounding yourself with positive people with great energy raises your vibration. We tend to gravitate like a magnet toward enthusiasm and drama as they are both high-energy states. Whenever one person is negative, the other is positive and both are contagious. Notice which one you are getting drawn toward during the course of a day.
9.     Live in the Now: When we become aware of each and every moment we connect with our lives more. We become more balanced in the center of our being. Our mind has chance to calm and we are more able to move into the state of Flow. This is where our Mind Body and Spirit become one and it is in this balanced and enlightened state that we start to connect with and manifest our heart’s desires.
These nine simple elements have the potential to change your life forever by giving you the ability to manage how you feel and create happiness from the inside-out.
John is an inspirational speaker in both business and personal development, and writes and speaks about ‘The Way’, which has evolved from his work as a business troubleshooter, helping rescue both companies and people in crisis.
FILED UNDER: JOHN WHITEMAN | FANTA

sexta-feira, março 21, 2014

PRESENTATION SOMMET DE LA CONSCIENCE - 7 Abril a 15 Abril











20 vidéoconférences qui sont offertes par des références de la spiritualité, du développement personnel et de l’évolution de conscience. http://sommetdelaconscience.com/

 Videoconferencias gratuitas sobre espiritualidade em francês do 7 Abril a 15 Abril . Videos estão disponíveis 24h. Inscrever em
http://sommetdelaconscience.com/

quinta-feira, março 20, 2014

Oprah & Deepak 21-Day Meditation Experience: Finding Your Flow - Oprah W...

Free meditation join here https://chopracentermeditation.com/register

I already did :)

terça-feira, março 18, 2014

3 Steps To Living a Miraculous Life

Practicing A Course in Miracles

by GABRIELLE BERNSTEIN

"If we want to live a miraculous life, we must raise the volume on the loving voice within us and turn down the volume on our fear." - Gabrielle Bernstein
You may have read the title of this article and thought, “Man, that sounds groovy—but it’s nothing but a pipe dream.” Many of us long for a life of happiness, balance and peace, but we don’t believe we can have it. But the great paradox is that our lack of faith in love and miracles is what blocks us from receiving love and miracles. Many of us have more faith in fear than we do in love and miracles. If we want to live a miraculous life, we must raise the volume on the loving voice within us and turn down the volume on our fear.
1. Choose Love Over Fear
The first step in choosing love over fear is to understand your fear. As a student of A Course in Miracles I learned to become the witness to my fear-based thoughts. Each time I felt fear set in, I’d take a deep breath, step outside of my thoughts and actions, and witness my behavior. By witnessing my fears I was able to see how delusional they actually were. For instance, early in my career I ran a public relations business. With every new client came a new opportunity to negotiate my monthly retainer. I hated negotiating. It made me feel anxious and jittery, and I’d lose my sense of calm. When I acknowledged my fears around negotiating for more money, I realized it was related to a belief I’d picked up that women shouldn’t ask for more. This was an outside projection the world had created, and I’d chosen to believe it. But when I got honest about my fear, I was able to see how this “lack” mentality had become a fear-based pattern in my mind. When you choose to perceive love over fear, life begins to flow.
2. Be Willing To Let Go of Fear 
Once you’ve gained clarity about your fears, the next step is willingness. A Course in Miracles says that the slightest willingness is all you need to receive the guidance to change. When we become open to let go of our fear, we open our heart, mind and energy to be guided to a new perspective. Willingness raises your consciousness of new possibilities and ignites what I call your ~ing(your inner guide). Your ~ing is the voice of love, your inspiration and your intuition. All you need is a little willingness to get your ~ing on and receive guidance to change.
This guidance will come in different forms: intuition, inspiration, and sometimes even through synchronicities. Often we can experience intuition as a strong inner knowing that offers us guidance of some form. Inspiration can be experienced as a feeling of flow and excitement that comes through in moments when our thoughts and actions are aligned with love. Then there are moments of synchronicity, which are really cool—like when you’re thinking about your mother and she calls or when you keep hearing about a new book and the next day it falls off the shelf in the store.
In my book, May Cause Miracles, I emphasize three other key components to living a miraculous life: gratitude, forgiveness and love. The act of forgiveness is to the miracle worker as lettuce is to the raw foodie.
Forgiveness guides us to cleanse ourselves of the old, junky fear and shines light on the darkness of our worries, doubts and suspicions. Rather than continuing to play the role of victim, we can forgive and be set free. With each choice to forgive, we shift our perception from fear to love.
Forgiveness is like air: we need it to survive.
Then comes gratitude. An emphasis on gratitude is the only attitude for the miracle worker. Living a grateful life creates more abundance, acceptance and appreciation. In order to transform your fears back to love, you must embrace a way of being that puts gratitude first.
3.  Choose Love Everyday
Finally, there is love—the most crucial ingredient. A Course in Miracles teaches that the only thing missing in any situation is love, and where there is fear there is no love. Therefore, living with an open heart and embracing love as our true purpose is essential to living a miraculous life. 
Gabrielle Bernstein has been labeled by the New York Times as the next-generation guru. A motivational speaker, life coach, and author, she is expanding the lexicon for the seekers of today and tomorrow.

terça-feira, março 11, 2014

co-creation / La cocréation active

TEDx talk experience, co-creation and stepping outside of our comfort zone - Lilou Macé La cocréation active: Lilou Macé at TEDxAlsace

domingo, março 09, 2014

COMUNICAÇÂO 

Qual a coisa mais importante para ti? Dizeres o que tens a dizer ou fazeres com que o outro entenda o que queres dizer? Expores apenas a tua opinião, nua e crua, sem te preocupares com o facto de poderes magoar os outros? Pensa bem: Quando apenas «disparas» as tuas convicções, não estás a levar em conta que os outros, pelo facto de ficarem magoados, se defendem, se fecham, e pura e simplesmente não te vão ouvir ou compreender. 

Eu estou sempre a dizer que vocês têm de ser quem são. Sem desvios ou cedências. Mas para uma pessoa ser quem é, ela deverá fazer-se compreender pelos outros. Para não gerar mais incompreensão, intolerância e violência à sua volta. Pois bem. O desafio é: Sê quem tu és, com o coração. Depois utiliza a tua mente para conseguires comunicar isso aos outros de forma a que eles compreendam e aceitem. 

Se eles compreenderem, óptimo, mais fácil será seres quem és. Se eles não compreenderem, apesar dos teus esforços, apesar da tua diplomacia… Se mesmo assim eles insistirem que querem que tu sejas como eles querem… Aí então está na hora de dar um murro na mesa e mostrar que não vais prescindir de seguir o caminho que a tua alma te mostra todos os dias. 


Jesus
Mensagens de Luz Alexandra Solnado
https://www.alexandrasolnado.com/excertos/livro-luz.html