sábado, junho 28, 2014

Guided Meditation / meditações guiadas

https://www.chopra.com/ccl/guided-meditations

free guided meditation, it´s possible to download to the computer, right side of the mouse.

sábado, junho 21, 2014

MUSTARD: el temible "Black Dog" (Depressão)

Sinapsis arvensis
Bach coloca a esta esencia en el grupo de la "Falta de interés por las presentes circunstancias", es la más triste de todas las esencias de este tercer apartado floral.

Merecería estar en el dramático 6º grupo "Para el desaliento o la desesperación" junto a Sweet Chestnut. Sí, ambos estados emocionales se rozan, pero si el sufrimiento Sweet Chestnut tiene una causa nombrable, en Mustard lo perdido se remonta a épocas preverbales, tanto es así que el ser humano afectado por este estado no puede poner en palabras lo que le aflige (en ese sentido es similar a Aspen, otro con gran dificultad para nombrar lo que teme).

No obstante, la persona triste aquejada de sentimientos Mustard los designa con metáforas que remiten a la sensación, al cuerpo, a lo que se percibe con los sentidos: nube negra, fría nube, agujero negro, niebla gris... Justo es este punto el que confirma que la herida sufrida -la pérdida- de clima emocional amoroso, sucedió de pequeños, cuando éramos tierno cuerpo, sin una mente lo suficientemente desarrollada y capaz de asignar sentidos. La psicología evolutiva explica bien esta evolución hacia la palabra.

También lo dice Bach: "Para quienes están expuestos a temporadas de tristeza o aun desesperación, como si los cubriera una fría nube oscura que les ocultase la luz y la alegría de vivir. No se puede encontrar una razón o explicación para estos ataques. En estas condiciones es casi imposible mostrarse feliz o alegre."

Winston Churchill, aquejado desde su juventud de trastorno bipolar, la llamaba "Black Dog", perro negro. Uno rabioso, que muerde, que asusta y deja impotente. La expresión no es suya, la tomó prestada de tantos y tantos que antes también encontraron en esta metáfora una buena síntesis de ese doloroso sentir que el estratega inglés describía así:



"No me gusta estar de pie junto al borde de una plataforma cuando un tren está pasando a toda velocidad. Me gusta estar a distancia, y si es posible, con una valla entre el tren y yo. Tampoco me gusta estar en un barco y mirar hacia abajo el agua. Bastaría un segundo para acabar con todo, unas cuantas gotas de desesperación... Winston Churchill (1874-1965) 


Cada tanto la Organización Mundial de la Salud nos regala algún video educativo. Aquí comparto uno específico para esta pandemia a la que la psiquiatría llama depresión, y que los terapeutas florales llamamos, como Bach: la tristeza inexplicable del tipo Mustard.

Gracias a Lola Tomas, Terapeuta Floral de Cataluña, por darme a conocer este estupendo video.



Fonte: http://floresdebach-eetf.blogspot.pt/2014/05/mustard-el-temible-black-dog.html

quarta-feira, junho 18, 2014

How to Turn a Bad Day Around

by HENRIK EDBERG

“To affect the quality of the day, that is the highest of arts.”Henry David Thoreau
“Don’t judge each day by the harvest you reap, but by the seeds you plant.”
Robert Louis Stevenson
Some days are great, better than you would have expected when you rolled out of the bed in the morning.
Quite a few days are just good and OK days.
And then we have the other ones. The days that just wind up being bad.
What do you do then? I used to let them drag me down and I often wound up having not just one but a couple of bad days because of whatever happened.
Nowadays I do things a bit differently. I follow four general steps that I use to change my thoughts and how I feel if I find myself starting to have a bad day.
And I’d like to share those steps today.
1. Shake things up by using your body.
This is currently the first step I take. Well, most of the time at least. Sometimes I start with step #2 – find a new viewpoint – so you may want to see what order works best for you.
So I am having a sad, unmotivated, tired day or one where I wind up in a negative situation or more.
  • Breathe. The first thing I do is to just breathe. I breathe deeply through my nose by using my belly. I focus only on the air going in and out for about 1 minute.
  • Do a power pose. Then I follow that up by striking what Amy Cuddy calls a power pose for about 2 minutes (check out her TED talk, it’s really good). The simplest way to strike a power pose is to stand up confidently like Wonder Woman with your legs apart, head up and your hands on your hips. It might sound odd but it can really change how you feel in a quick and positive way.
  • Work out. A third step I sometimes use to shake things up by using my body is to lift free weights in my home. I do this for about 30 minutes and it helps me to release tensions and worry. And after I am done I feel more powerful, focused and energetic.
2. Find a new viewpoint.
The body tips above often work well to change my perspective by altering my emotional state and energy level.
Sometimes something more is needed though.
So I start looking more actively for a better and more helpful viewpoint by asking myself a couple of questions.
Three of my most commonly used questions that help me with that are:
  • Will this matter 5 years from now?
  • Who cares?
  • What is one small action, one small and practical step I can take to start turning this day or situation around?
3. Accept.
A third and powerful step that sometimes work better than the two above is simply to accept what is at this moment.
To not deny or try to push away negative feelings or thoughts that show up. Even though you may feel an impulse to do so.
Instead, just accept what is right now. The thoughts and feelings within you. And just be with them fully and observe them flowing through you.
By doing so you are not giving up.
No, because when you accept what is then you stop feeding the negative thoughts in your mind with more energy. And so they become weaker.
They start to lose their grip on you after a while and then they float away. And so you feel more open and are able to think more clearly again.
4. Sometimes a bad day will just be a bad day.
Now, from time to time, even if you use the steps above you won’t be able to turn a bad day around. That has been my experience at least.
Because no matter what habits you adopt, life will never be perfect, positive or awesome all the time.
And this website was never about living some kind of life that only exists in a perfect dream anyway.
This website is about replacing unhelpful habits with better ones. It is about raising the percentages of times where you can handle things in a better way. In your regular, everyday life. And when bigger things happen.
Because that will make a huge difference.
But still, life will have natural valleys.
And a bad day will sometimes just be a bad day. And that’s OK. That’s life.
But the interesting thing is this: if you accept that life is like this sometimes – and let go of the dream of perfection – then you’ll create less suffering for yourself and life will become lighter, simpler and happier.
So in the long run there is an upside even to a bad day that you may not be able to turn around.
 http://www.positivityblog.com/index.php/2014/05/22/how-to-turn-a-bad-day-around/

sexta-feira, junho 13, 2014

6 Powerful Steps to Stop Worrying and Start Living

Worry -- it's what keeps many lying awake at night and is what annoyingly gnaws away at people as they try to work, enjoy life, and relax. Unrelenting anxiety and fear can be debilitating and drain you of energy -- emotional and physical. For many people worrying has become habit and automatic. And like other habits and behaviors, it can be changed. People who worry a lot aren't able to enjoy themselves. They aren't able to focus on goals and pleasure. Life for them often feels draining and lacks pleasure. Simply put: they aren't happy.
Here's how to worry less and live more:
  • Think about worrying differently: 
    What purpose does worry serve? Does it make problems go away? Prevent them from happening? Or make them worse?

  • Allow yourself time to worry: 
    Many chronic worriers feel they have no control over it. They tell themselves things such as "just don't worry" or "don't think about it". This thought stopping approach rarely works. The reason -- it's a negative command and people simply don't process these well. It forces you to think about the very thing you're trying to avoid.
    For example, "I don't want you to think about a zebra with pink and blue stripes." In order to not think about such a zebra, you need to first imagine what one looks like. So, if I tell you, "don't worry about X" you need to actually think about X in order not to think about it. That said, I want you to designate time to worry. Allow yourself 15 minutes a day to let it rip. Choose a time when you're usually most relaxed, but not near bedtime. Let your thoughts gush. Heck, if you want to, worry more intensely during this period than you normally do.
    Paradoxically this exercise will give you control over something you otherwise feel you have no control over. It works for countless patients of mine and it will work for you, too.
  • Control: 
    Ask yourself: do I have control over the issue? So many of the things people worry about they have absolutely no control over yet it dominates their thinking. For example, the weather. We can't control it but we can certainly prepare for it.
  • Fact or fiction? 
    On a piece of paper make four columns. On the far left write the worry you're having. In the next column identify whether it is fact or fiction and if there's any real evidence to support your belief. Then write an alternative way of thinking and finally, think about whether the original thought was helpful or not. So here's an example of someone who has tickets for a Broadway show on Friday and is worried she may miss it if she gets sick:
    1. "I'm worried I'll get sick and have to miss the show on Friday." 
    2. I'm not sick now so the thought is unwarranted and fiction. 
    3. I'll make sure I take care of myself and get proper rest so I am healthy for my show on Friday. 
    4. "I didn't get sick and I did in fact make it to the show. My worries were needless and didn't affect my health."

  • Be a problem solver: 
    There's a big difference between worrying and problem solving. The former is about repeating thoughts that are unhelpful and leads to more stress and worry and gets in the way of actually enjoying life and being productive. The latter is focused on getting out of the current way of thinking and making life better.
    Put on your problem-solver hat and think about solutions. How might you advise a friend who has a similar concern? What steps would you take to ensure a solution? Take action now.
  • Make friends with uncertainty: 
    Feel okay about not knowing exactly how things will turn out. Accept the unpredictability of life. Can you imagine how dull life would be if we knew everything that would happen? Think of all that is right with life and embrace ambiguity.
For more tips on how to be happy and live fearlessly check out my book BE FEARLESS: Change Your Life in 28 Days.
Follow Jonathan Alpert on Twitter: www.twitter.com/JonathanAlpert

http://www.huffingtonpost.com/jonathan-alpert/6-powerful-steps-to-stop-_b_5265123.html

sábado, junho 07, 2014

7 Formas de tornar a sua vida mais prazerosa


A azáfama do dia a dia, as exigências do trabalho, as atividades sociais, as expectativas de vida, os desafios a que nos propomos, as perdas, fracassos, são tudo estímulos que nos colocam à prova, testam os nossos limites, e por vezes, provocam-nos vários desequilíbrios psicológicos que nos dificultam a vida. Importa que tenhamos presente um conjunto de conceitos e práticas que possam ajudar-nos a restabelecer o equilíbrio ou a evitar sofrimentos desnecessários. A vida é dinâmica e a mudança é uma certeza absoluta nas nossas vidas. Arranjarmos formas de nos adaptarmos saudavelmente às novas realidades que vão emergindo, torna-se primordial.
Em seguida, apresento 7 formas que podem ajudá-lo a desenvolver essa capacidade de adaptação e promoção do equilíbrio geral de vida: 

Seja curioso e abra a sua mente à mudança

Quando somos crianças, quando nos encontramos num estado de desenvolvimento a curiosidade é enorme. A curiosidade é na verdade o motor da aprendizagem, da interação e da conquista de novas experiências. Com o avançar dos anos, muitos de nós vamos perdendo este impulso que fez de nós aquilo que somos. Uma das atitudes essenciais para o continuo progresso e desenvolvimento é o envolvimento com algo como se fosse a primeira vez. Esta ideia do envolvimento através da curiosidade permite que a pessoa aprecie o momento presente, como se nas coisas mais banais que faz pudesse vislumbrar algo novo ou diferente. Por exemplo, quando você toma banho imagine como se fosse a primeira vez que sente a água  o seu corpo, apreciando o cheiro do sabão, ou contemplando o vapor, veja como a experiência muda perante os seus olhos. A curiosidade e a novidade são os caminhos mais rápidos para a criação de novas conexões neuronais. E, quando criamos nova ligações no nosso cérebro, aprendemos algo de novo. Quebramos a rotina e emergem novas sensações, emoções e sentimentos, fazendo sentirmo-nos bem.
Mesmo uma refeição ou um lanche é uma excelente oportunidade para parar e refletir sobre a forma como esse simples pedaço de alimento contém imensas coisas maravilhosas, a terra, vento, chuva e sol. Muitas foram as pessoas que contribuíram para transformar os ingredientes em alimento, para que você possa usufruir de imensos prazeres naquele momento. Essa simples refeição torna-se uma fonte de gratidão e um momento em que pode reconhecer a interligação de todas as coisas existents no mundo. A curiosidade leva a que a pessoa conscientemente volte a ter contato com as maravilhas e possibilidades da vida.
Abraham Joshua Heschel, disse: “A vida é rotina e rotina é a resistência à surpresa.”

prazer

Perdoe a si mesmo e aos outros

A vida é pródiga em apresentar-nos obstáculos. Por vezes seguimos caminhos dos quais no momento presente não temos total consciência das suas consequências. Erramos, tomamos decisões das quais nos arrependemos, ficamos frustrados, decepcionamos, ou podemos prejudicar outros com os nossos atos. Ou, outra vezes, sofremos injustiças, somos prejudicados ou mal tratados pelos outros, ou pela sociedade. Envolto neste cenário, podemos ter tendência para ficarmos rancorosos, ressentidos e criarmos mágoas que nos retiram paz de espírito.
Se ganharmos consciência de que a grande maioria de nós somos condicionados pelo meio em que vivemos e obviamente pelas nossas experiências, ficamos numa posição mais favorável para retirar entendimento dos obstáculos que enfrentamos, não ficarmos presos neles e movimentarmo-nos livres de amarras vitimizantes que nos podem puxar ainda mais para baixo. Com este conceito em mente, faça uma análise dos seus ressentimentos e mágoas, face a você mesmo, e de si para os outros. Invista na superação do seu passado castrador e perdoe a si mesmo e aos outros. Livre dessa carga emocional negativa você fica pronto para voltar a apreciar a vida por aquilo que ela é. Uma vida cheia de possibilidades que sofre muita influência da forma como a encaramos e com dirigimos a nós mesmos.

Compreenda as suas emoções

Observe as suas emoções, tente perceber que são energia em movimento, que não são estáticas, que reagem aos acontecimentos de vida. As emoções são uma forma rudimentar de informação. Importa dedicar algum do nosso tempo a saber interpretá-las. Observe-as simplesmente, tentando não se envolver, ou seja, num primeiro instante não siga o impulso das mesmas. Siga o seu fluxo e perceba a influência que estão a ter no seu raciocínio. Em seguida, perceba se a influência das suas emoções estão a encaminhá-lo de acordo com os seus valores, significado de vida e objetivos. Faça isso para as emoções positivas e negativas. Na presença de emoções positivas ou negativas esforce-se para não perder a noção que tem de si mesmo.
Passe as suas emoções mais arrebatadoras pelo filtro da sua consciência. No intervalo entre um estímulo e a resposta, faça emergir a sua consciência, a sua sensatez e inteligência. verifique se os seus comportamentos e atitudes tendem a manter-se na linha dos seus objetivos. Ao efetuar este processo você promove um elevado nível de presença de espirito, ou seja, você consegue ter uma percepção mais alargada de si mesmo. Evitando que as suas emoções anulem parte de você mesmo, ou o reduzam apenas a um estado de alegria, tristeza, raiva, medo, euforia.

Pratique a compaixão

A compaixão pode ser definida como perceber o sofrimento (o seu e o dos outros) como uma tendência a querer ajudar de alguma forma. A prática deliberada de prestar atenção para nós mesmos com carinho, amizade e empatia, envia uma mensagem implícita para o nosso cérebro que estamos com uma atitude positiva perante as dificuldades. A compaixão é empatia em ação. É a vontade explicita em fazer algo em prol do outro ou de nós mesmos. É percebermos as circunstâncias e as razões que estão na base dos acontecimentos, e se estes não estão de acordo com o que queremos, fazemos algo que possa contribuir positivamente para a melhoria. Este ato de autocompaixão ou compaixão é o agente do bem-estar essencial e facilita a conexão conosco mesmo, como os outros e com o mundo em geral.

Faça as pazes com a imperfeição

Muitos de nós criticamo-nos duramente quando efetuamos algo que julgamos não ter ficado perfeito. É como se desenvolvêssemos uma hiperconsciência para as nossas imperfeições e tudo o que seja menos que perfeito causa-nos sofrimento e frustração. Julgamo-nos duramente, por vezes ao ponto de nos desvalorizarmos e com isso diminuirmos a autoestima.  A perfeição é um conceito, é uma construção mental acerca de algo. Normalmente está associado a um pensamento de tudo ou nada, ou fazemos tudo na perfeição ou então não valemos nada. Associarmos o nosso valor enquanto pessoa à mera execução de algo é uma distorção do pensamento. O valor enquanto ser humano está para lá de fazermos tudo na perfeição (se é que isso existe).
Se você sofre com o problema do perfeccionismo exacerbado, leia o artigo, Perfeccionismo: a importância de saber priorizar

Abrace a incerteza e a vulnerabilidade

Vivemos num mundo cheio de incertezas e de vulnerabilidades. É um sentimento paradoxal, o que procuramos para nós é termos certeza das coisas e sentirmo-nos seguros do nosso caminho, mas o que observamos no mundo é na grande maioria das vezes o oposto. Este paradoxo pode deixar-nos à beira de um “ataque de nervos”, pode deixar-nos em maus lençóis quando queremos obstinadamente ter o controle de tudo ao nosso redor. Podemos facilmente concordar que existem muitas coisas na vida de cada um e nós que fogem ao nosso controle. Então como lidar com este paradoxo de forma saudável? É preciso acreditar que temos em nós mesmos recursos suficientes para procurarmos soluções para os nossos problemas. E acima de tudo, que a incerteza e a vulnerabilidade são uma condição da vida. Em algum grau e em alguns momentos irão manifestar-se e, temos de ser flexíveis o suficiente para perceber que temos de seguir em frente e confiar em nós mesmos, porque somos capazes de reconstruir o caminho que pretendemos.

Se não pode mudar algo, pode mudar a sua atitude

Os acontecimentos passados, principalmente os dolorosos ou catastróficos deixam marcas. Por vezes “chapinhamos” na lamentação de porque as coisas tiveram de acontecer de determinada forma. Ficamos obsessivos face à impossibilidade de mudar algo que nos prejudica ou prejudicou. Não podendo ter controle sobre os acontecimentos que nos transcendem ou não dependem de nós, podemos sempre ter controle sobre a nossa atitude face aos mesmos. Podemos perceber uma forma de nos adaptarmos saudavelmente às circunstâncias. O que pode ser alvo de intervenção e/ou de ação é a atitude que se tem face ao evento. Podemos reavaliá-lo, reinterpretá-lo e atribuir-lhe outro significado. Um significado que nos sirva e permita continuar com a nossa vida de forma adequada e positiva.

http://www.escolapsicologia.com/7-formas-de-tornar-a-sua-vida-mais-prazerosa/

quinta-feira, junho 05, 2014

Utilisation du «chi» pour guérir





JD est à Java (à côté de Bali). C’est un guérisseur impressionnant qui utilise le «chi», le yin et yang.

Ce documentaire est très rare car ce genre de personne ne se laisse
normalement pas filmer. Vous verrez d’ailleurs à la fin ce qui adviendra
de lui parce qu’il l’a permis.

http://chemindevie.net/utiliser-shi-guerir-java/