domingo, setembro 27, 2015

Learn How To Live With More Peace, Purpose & Wisdom -Free from the 1 – 31st October, 2015

Learn How To Live With More Peace, Purpose & Wisdom

 Free from the 1 – 31st October, 2015

Join free in http://themindfulnesssummit.com/

Forgive Yourself First.


Nothing in life causes more pain and suffering than the judgments we hold about and against others and ourselves. I think Byron Katie says it best: “When you argue against reality, you will suffer.” Judgments are the thoughts or arguments we hold about or against what is, what was, and what should be. All judgments create suffering and need to be forgiven.

Releasing Judgement 
Every interaction and experience in life offers the opportunity to become aware of those things that we do not recognize and/or do not accept about ourselves. This is the foundation of all judgments. It is very easy to point out in others the things we deny, dismiss, avoid, excuse, and resist acknowledging that we actually believe are true about us.
When we are willing to be emotionally honest, we will discover that the reactions we have to circumstances, situations, and people give us more information about ourselves than about anyone or anything else. Every upsetting encounter is triggering an emotion that is present on our internal landscape.
When someone makes a remark about us, it may trigger hurt or fear or sadness.
We may judge the person as mean or insensitive or disrespectful. Upon a closer investigation, it’s revealed that the thing being said by someone else is the same thing we may have said to ourselves about ourselves—when no one else was around. However, when a person makes the same remark and we don’t have that judgment about ourselves, chances are we will not be hurt or offended by it. Regardless of the circumstances, our internal reactions to people and events are a reflection of our own self-judgments and long-held toxic emotions. Rarely do our negative reactions have anything to do with another person’s bad behavior.
3 Learning Tools to Help You Forgive Others
More often than not, judgments can be traced back to one of three primary issues:
1. We do not/cannot tolerate the same behavior or characteristic in ourselves. 
When we harbor feelings of inadequacy, inappropriateness,weakness, or the “not-good-enough” syndrome, we resent seeing our behaviors and tendencies demonstrated by another person. Seeing it “out there” embarrasses us, so we condemn what is being demonstrated. A judgment of resentment or embarrassment often reveals that we are not fully expressing ourselves, and we experience resentment or anger when others do so.
2. We are unaware that we behave a certain way and of the impact that behavior has on others. 
So we disown it and project the behavior onto others and dislike it “out there.” Whenever we experience dislike, upset, or anger about how someone is, we must ask ourselves, “How and under what circumstances am I prone to behave the same way?” Only when we become willing to take an honest look within to determine if we share some of the characteristics we dislike in others can we become self-accepting and self-aware.
3. When we are envious and resentful, we must find something wrong with others who have what we want or do what we desire to do.
We judge them in order to make them wrong about who we are and what we have not created for ourselves. When someone attains a certain level of success or recognition, it may remind us of a lack of confidence or success in our own life experience. When feelings of inadequacy surface in the face of success, chances are we will look for and find something wrong with the person to negate what is right or good about them and their accomplishments. This is also known as the “crabs-in-a-barrel” mentality: pulling someone down to the level we believe we are on.
Forgive Yourself First
It is only when we forgive our judgments that we can have compassion for others, even when they behave in ways we would not. With time, practice, and forgiveness we grow a deeper understanding of what we say and do to others that can and will transform how we live within ourselves. See my book,Forgiveness for more tools to help you forgive.
 Rev. Iyanla Vanzant  

http://positive-thoughts.typepad.com/positive-thoughts/2014/09/forgive-yourself-first.html

sábado, setembro 26, 2015

quarta-feira, setembro 23, 2015

Building Your Self-Esteem Back Up After Someone Rejects You

One of the greatest fears people experience is the fear of rejection. That’s because there are few things that hurt as much as rejection. We create meanings about our worth based on incidents in which we’ve been rejected. These meanings then help shape our self-image, which dictates the decisions we make in our lives.
It’s very easy to believe that when someone rejects you, whether it’s in love, friendship, family, work, or otherwise, it’s because something is wrong with you. Anyone and everyone can be rejected, no matter who they are. If someone rejects you, it doesn’t diminish your innate value because it doesn’t affect your soul. It affects your ego, which loves to blame and thrives on making you feel like a victim. But your soul stays perfectly intact. The essence of who you are, the core of you, doesn’t change, and neither does your worth.
Rejection hurts when we internalize it. When we do this, we allow someone else’s actions and opinions to shape how we feel about ourselves. We then create a belief that the person who has rejected us is better. Conversely, we start to believe we are somehow unworthy. Yes, those who’ve rejected you may have had their reasons or rationales for doing so. Those reasons don’t have to be about you specifically, and they don’t mean anything about you as a person. In fact, the meanings you created about yourself based on rejection are actually not true.
 See the bigger picture in rejection. If someone rejects you, it’s because you’re just not meant to be in that situation, no matter how much you want it.
In fact, if I look back on every rejection I have endured in my life, unequivocally, each was there as a compass to take me in a different direction that would bring me back to my soul’s path. Each rejection was a correction. When I was going off track in my soul’s journey, the rejection was a realignment toward what was best for me.
We all have things that happen to us that don’t make us feel good about ourselves. But the difference between people who are happy and healthy and those who are miserable and bitter is that happy people don’t internalize or create a meaning about themselves based on a particular rejection. It’s best to look at rejection as an opportunity for something else, something better, waiting just around the corner.
Resist the temptation to blame or hate the person who rejected you, even if he or she wasn’t nice about it. Find a way to wish that person well instead. You may not realize it in the moment, but that person is actually an angel in disguise, leading you in the right direction by putting an end to the path you were on. See it as a divine redirection instead. 
Fabienne Fredrickson  
http://positive-thoughts.typepad.com/positive-thoughts/2014/09/building-your-self-esteem-back-up-after-someone-rejects-you.html

sábado, setembro 19, 2015

CHAVES PARA O AUTOCONHECIMENTO E A CURA-O Método Pathwork-nona parte


anterior
posterior
Descobrir as qualidades, saber lidar com os pontos negativos, acordar pela manhã e encarar o espelho de alma aberta para enxergar exatamente quem é você. Esses são alguns dos benefícios do Pathwork, método desenvolvido na Suíça que utiliza a meditação como um de seus passos.
Que para cada ação há uma reação, todo mundo já sabe. Mas, existem diversas formas de agir e reagir, e tudo depende de você. Por exemplo, quando alguém te irrita, será que o problema está na pessoa ou em você? A sua resposta com certeza vai depender de como encara as suas imperfeições e as dos outros. Para muitos, é mais fácil acusar ou sentir-se vítima de uma situação do que assumir o erro, mas há formas de mudar esta postura, e mudá-la para melhor.Uma delas é o Pathwork – ou “trabalho do caminho” – método que trabalha a autoaceitação, ajuda a entender dificuldades de relacionamentos e a refletir sobre as emoções.
ALGUMAS AFIRMAÇÕES DE EVA PIERRAKOS
“Não ver que as criações negativas são um produto seu faz com que vocês inevitavelmente se revoltem contra elas. Dessa maneira, vocês acabam numa situação peculiar, a discórdia interior. O que uma mão faz, a outra nega e combate, sem saber que aquilo é o produto da outra mão. Assim vocês brigam com o destino, com a vida, com todo o bem que poderia trabalhar a seu favor, bastando para isso que estivessem prontos para tirar as viseiras”.
“Quando você chegar a seus próprios recursos internos, à sua própria grandeza interior porque as lições foram aprendidas, você será de uma forma ou de outra, um líder”.
 “Quando o caminho se abre dentro de vocês, vocês começam a sentir, talvez pela primeira vez na vida, o próprio potencial do ser, a sua própria natureza divina”.
A HISTÓRIA DO MÉTODO
O Pathwork foi elaborado por Eva Pierrakos como um método de autoconhecimento. Teve início com grupos que se reuniam com Eva para ouvir as palestras. Na Suíça, onde viveu alguns anos, ela desenvolveu o dom psíquico que começou a se manifestar na forma escrita. De 1957 a 1979, Eva entrava em estado de leve transe e o seu guia espiritual falava através dela. Foram 258 palestras, cujos temas versavam sobre a natureza das realidades psicológica e espiritual e sobre o processo de transformação pessoal. Quando conheceu John Pierrakos, criador da Core Energetics, Eva aprimorou a forma de trabalhar com grupos de estudos do Pathwork, com base na terapia de grupo da Core Energetics. E assim o método começou a difundir-se pelo mundo. No Brasil, teve um desenvolvimento grande e rápido, e já está por aqui há mais de 15 anos.
QUAL O OBJETIVO?
O Pathwork, cuja tradução literal é “Trabalho do Caminho”, é uma metodologia de autoconhecimento baseada em um conjunto de ensinamentos apresentados sob a forma de palestras. Estas contêm conceitos e orientações sobre como remover os obstáculos que nos separam dos outros, da nossa criatividade e energia vital, aumentar a intimidade nos nossos relacionamentos e assim, abrir mão do que bloqueia nosso desenvolvimento, nossa plena realização e alegria.O método, eminente prático, aplicável ao nosso dia-a-dia, é muito útil para pessoas que estão buscando um caminho espiritual ou que gostariam de entender a razão de certos acontecimentos em sua vida. Com freqüência essa busca se manifesta como uma sensação de inquietação, um anseio, um vazio que nada preenche.
Na introdução de seu livro ENTREGA AO DEUS INTERIOR, Donovan Thesenga, que dedicou mais de trinta anos ao Pathwork, afirma que a inconsciência de nossas falhas é a fonte de todo sofrimento humano, de todos os conflitos: internos, entre pessoas e entre nações. O Pathwork nos mostra, passo a passo, como trazer esses aspectos à consciência, lidar com eles, aceitá-los sem ser coniventes, reconhecer seu efeito sobre nossa vida e transformá-los. Somos aos poucos orientados na direção da plena responsabilidade, a perceber que não somos vítimas, que as situações de nossa vida foram criadas por nós, consciente ou inconscientemente, e que assim como as criamos podemos mudá-las e tornar nossa existência cheia de alegria, paz, harmonia, prazer, realização em todos os aspectos.
Em síntese,é ajudar as pessoas a serem mais verdadeiras, a estar cada vez mais conscientes de nossas defesas, negatividades e, principalmente, das qualidades, que muitas vezes não reconhecemos em nós mesmos. É uma forma de auxiliar as pessoas a serem quem realmente são, a mostrar nosso “eu melhor” e não quem fingimos ser, com a máscara que incorporamos no dia a dia. Isto, para nós, é desenvolver a espiritualidade. Para alcançar esses objetivos, é preciso ter muito empenho, coragem para ver a verdade, amor por si e autoresponsabilidade.
MEDITANDO COM O MÉTODO PATHWORK
“Se eu quero tanto ser bom, como continuo cometendo sempre os mesmos erros”? Qualquer pessoa que pretenda ter um caminho espiritual já se defrontou mais de uma vez com essa questão. A resposta para ela está no auto-conhecimento, que nos libera das expectativas irreais em relação a nós mesmos e, ao mesmo tempo, permite que venha à tona o que temos de melhor.Essa jornada de auto-conhecimento é, justamente, a proposta do Pathwork – um método de prática espiritual contemporâneo. Segundo a teoria desse método, os seres humanos, ao longo de sua vida – e com base principalmente em suas experiências de infância – criam um eu idealizado, que é totalmente impossível de ser vivido. E, ao não atendermos às expectativas desse eu idealizado, nos sentimos frustrados e incapazes.Como fazer para superar essa frustração? Temos que descobrir a raiz desse eu idealizado na nossa história pessoal, e ir além dele, achando o nosso verdadeiro eu, responde o Pathwork. Só quando chegarmos ao nosso verdadeiro Eu, liberaremos todas as nossas potencialidades, e seremos capazes de encontrar a felicidade verdadeira.
ALGUMAS CITAÇÕES PARA MEDITARMOS;-por Eva Pierrakos
1-O que é verdade?
“Enquanto você simplesmente desejar a sua própria felicidade, portanto não for um elo na corrente, o ego é de fato o centro, mesmo que você não tenha consciência disso. Você vê, o homem deve primeiro curar as feridas de suas mágoas internas, remover uma casca antes de conseguir realmente ser uma ajuda forte para os outros. Ao dar todos esses passos necessários, o homem se desloca para o lugar certo, e automaticamente se aproxima da harmonia com as leis de Deus”.
2-Decida-se: Perfeição, Alegria,Medo, Problema
“Todas as verdades da criação, todas as leis espirituais, tudo que o homem é capaz de compreender deve ser vivenciado pessoalmente, para se tornar conhecimento genuíno e para ser utilizado pessoal e produtivamente. O reconhecimento interno de qualquer verdade só pode ocorrer quando o contato com o mundo espiritual de Deus for estabelecido, pelo menos em algum grau, e esse contato pode ser feito quando em algum lugar da alma se abre um caminho até o Eu Superior.”
3-Autoconhecimento: o grande plano; o mundo espiritual
“Uma vez que você admitir que não gosta de deixar de lado o ego, ou sua vaidade ou o que for, você pode curar a preguiça do eu inferior com as verdades espirituais que já aprendeu.”
4-Autoconhecimento
“Deus está em cada pessoa. Cada criatura viva tem uma parte de Deus em si. O único meio de alcançar essa parte divina é o pequeno e estreito caminho do autodesenvolvimento. A meta é a perfeição. A base para isso é conhecer a si mesmo!”.
5-O Trabalho do Espírito – A Vida no Mundo Espiritual
“Somente quando você se purifica de dentro para fora, limpa as suas emoções e pensamentos e então preenche o seu destino da melhor forma onde quer que você esteja, é que você pode se tornar um condutor da paz. De maneira indireta, ao viver espiritualmente, as pessoas podem fazer mais a favor ou contra a guerra do que políticos ou homens de estado, meus queridos amigos.”
6-Pensamento Positivo – Tipo Certo e Tipo Errado
“Tudo que vocês devem fazer enquanto persiste a dúvida é recolher-se em quietude. Formulem esse debate em um pensamento claro e conciso e façam a Deus esta simples pergunta: “Qual é a verdade?”E então se mantenham abertos para a resposta. Não esperam que ela possa sempre ser dada imediatamente. Nos dias que se seguirem simplesmente continuem conscientes dela. De uma forma ou de outras vocês a receberão, no devido tempo.”
7- O Chamado
“O que Deus quer de todos e de cada um, como o primeiro passo antes que se possa realizar e dar a outros, é o auto-desenvolvimento, a auto-purificação e o auto-conhecimento. É o ato de rasgar as máscaras, de rasgar todas as ilusões a respeito de si mesmo e dos motivos exteriores.”
8-A Queda
“Não pode haver felicidade divina, na verdade não pode haver nenhuma divindade se ela não puder ser atingida ou mantida por livre escolha. Da mesma forma, o oposto de Deus e Suas leis é, naturalmente, a proibição dessa livre escolha e o domínio dos mais fracos pelos mais fortes.”
9- Descubra Seus Defeitos
“Não são apenas aquelas características comumente chamadas faltas ou defeitos que são um obstáculo para você e que portanto indiretamente fazem mal aos outros, mas também os seus medos, que não são geralmente considerados defeitos. Você não se dá conta de que os seus medos causam um grande dano, não apenas na sua própria vida, mas também na vida de outros. Eles também ocultam a sua luz de amor, compreensão e verdade.”
10- Vergonha
“Quando vocês forem capazes de real e efetivamente se aceitarem como são, sem querer ocupar um lugar mais alto, sem querer parecer melhores do que são, vocês terão de fato satisfeito os requisitos básicos para estar neste Caminho, meus amigos. Antes disso, vocês ainda não estão nele, mas apenas em um estágio de preparação para passar pelo portão mais importante e decisivo que conduz a ele.”
11-Respeito por si mesmo
“Vocês não precisam ser perfeitos para se respeitarem. Basta ter uma atitude realista com relação às imperfeições e adotar uma atitude construtiva com relação a elas. Quando mais se firmar o respeito próprio, menos vocês terão necessidade do respeito dos outros, pois se sentirão seguros interiormente. E isso mudará de tal forma a atitude interior e as emanações que vocês exercerão um efeito diferente sobre os outros assim será muito mais fácil o ambiente dar a vocês o amor e o respeito desejados.”
12-Voltando-se para a Fonte
“A plenitude da vida significa entrar na vida sem covardia, abrir-se a tudo que a vida pode trazer: dificuldade e alegria, infelicidade e felicidade, períodos de escuridão e períodos de luz, decepções com outros seres humanos sem jamais tornar-se insensível, sempre disposto a confiar de novo. E acima de tudo, jamais, jamais ter medo dos seus sentimentos, da vida como ela é. Esta é a plenitude da vida.”
13- Aceitação, o Modo Certo e o Errado – Dignidade na Humildade
“A verdadeira dignidade só pode existir ao lado da total humildade. Aquele cujas correntes do ego são tão fortes que sua vontade fala primeiro deve, necessariamente ser orgulhoso. E essa pessoa não tem dignidade. Na medida em que a teimosia, o orgulho, a vaidade, o egoísmo estão presentes na alma, trazendo necessariamente o medo em sua esteira, a dignidade não pode existir.”
14-As Imagens
“O preço da liberdade é a coragem e a humildade de encarar as coisas. Quando você tiver dado todos os passos necessários, a vitória da liberdade trará tanta alegria que não importa o que aconteça fora de si mesmos, nada poderá atrapalhar a sua felicidade.”
15-Três tipos básicos de personalidade: razão, vontade, emoção
“Muitos de vocês estão plenos do sincero desejo de unir-se com Deus, mas antes que possam fazê-lo achem as pequenas oportunidades que lhes são oferecidas para se unirem aos outros seres humanos, seus companheiros. Dessa maneira vocês podem praticar a humildade e o amor, deixar de lado o seu orgulho e o seu ego e provar que a sua intenção é séria. Aqui e agora, exatamente onde está, você tem muitas oportunidades de encontrar Deus.”
16- O Conflito Entre Desejos Conscientes e Inconscientes
“Embora o autoconhecimento nem sempre seja idêntico à purificação, em grande medida vocês já se purificam pelo simples fato de conhecerem a si mesmos de maneira completa e cabal. A capacidade de fazer isso sem resistência, sem subterfúgios, faz com que seja essencial e necessário ter humildade, a humildade de aceitarem a si mesmos como são agora.”
17-Autoridade
“O Pathwork lhes dará gradualmente o conhecimento de onde e como os seus problemas externos estão ligados aos seus conflitos internos; como vocês reagem emocionalmente de maneira a atrair certos eventos tão inevitavelmente quanto um magneto atrai certo tipo de substância. Essas forças só podem ser verdadeiramente compreendidas quando você descobre as suas próprias emoções e alcança o seu significado mais profundo.”
18- A Parede Interior
“Todo ser humano tem o desejo de lutar pela perfeição, pela capacidade de amar, pela verdadeira bondade, pela luz e pela verdade. Esse desejo vive na chama divina de todo ser. Mas esse desejo, em estado puro, nem sempre penetra em todas as camadas da imperfeição. É como se o sol brilhasse através de um vidro sujo e os raios saíssem pelo outro lado como sombras indistintas. É isso que acontece com o desejo de desenvolvimento.”
19- Obstáculos no Caminho – Culpa Falsa
“Diferenciem com clareza, meus queridos amigos,  entre a culpa de serem imperfeitos no presente estágio, o que por si só, não deveria fazê-los sentir-se culpados, e a dor que causam aos outros, não importa quão não intencionalmente, devido a essa imperfeição,  cegueira e ignorância que são culpas verdadeiras e que vocês deveriam enfrentar direta e corajosamente.”
20-A Imagem Coletiva da Auto-importância
“Ao encarar o lado negativo, vocês manifestam a mais corajosa de todas as emoções: a honestidade consigo mesmos. Portanto, não precisam ter vergonha da batalha interior. É um mérito de vocês. Mas a batalha será muito mais eficaz se vocês deixarem que ela entre na mente consciente. Assim, entenderão melhor as leis da alma, as leis do relacionamento humano e as leis do universo.”
21-A Vergonha do Eu Superior
“Seu eu verdadeiro encontra-se freqüentemente escondido atrás de um muro de pedra. E esse não representa a maldade, nem mesmo o egoísmo. Não é, tampouco, o medo de se machucar ou de ser desapontado. Tudo isso contribui, mas num grau menor. Os principais componentes desse muro por trás do qual vocês escondem seu verdadeiro ser é a vergonha de fraquezas imaginárias, a vergonha de si próprios com toda a ternura e compreensão; com toda a simpatia e vulnerabilidade de seu coração amoroso.”
22-A Respeito do Medo de Amar
“O amor é o único poder. Com ele você é poderoso, você é forte, você está seguro. Sem ele você é pobre, você está separado, você fica isolado e medroso. Entretanto, este conhecimento não pode ajudar de verdade até que você descubra, no fundo de si mesmo, onde não consegue amar, onde não quer amar e por que resiste ao amor.”
23-Distorções dos Instintos de Autopreservação e Procriação
“A criança em vocês acredita que quanto menos derrotas sofrer, maior será. Nada poderia estar mais longe da verdade. A verdade é que vocês são grandes na medida em que sabem lidar com a derrota – com honestidade, humildade, dignidade e compostura, sem embelezar nem colorir, sem projetar nem humilhar, sem fingimento.”
24-O Crescimento Emocional e Suas Funções
“À medida que você crescer através deste Caminho, pouco a pouco as emoções negativas vão desaparecer. Mas enquanto elas ainda estiverem presentes, você precisa se perdoar. E isso será fácil se você entender que continua amando, mesmo enquanto odeia. E que você odeia somente porque foi magoado. Você não precisa ter a expectativa de sempre dever amar e entender. Isso virá muito gradualmente. A mágoa vai crescer menos e portanto o amor vai crescer mais.”
25-O eu verdadeiro versus os níveis superficiais da personalidade; pecado e neurose; conceitos divididos que geram confusão
“Sempre que vocês agem a partir do eu real, estão totalmente unidos interiormente. Não existe dúvida, nem confusão, nem ansiedade, nem tensão. Vocês não estão preocupados com a aparência do ato aos olhos dos outros. Tampouco estão preocupados com o princípio ou regra. Mas estão preocupados com o efeito de seu ato sobre os outros e sobre si mesmos, sobre as conseqüências.”
26-O Eu Verdadeiro X os Níveis Superficiais da Personalidade
“Quando vocês são maduros e inteiros, jamais dependem das circunstâncias externas. Conseguem lidar com a situação, e mesmo que determinada circunstância  seja difícil, ficam plenamente em paz consigo mesmos.”
27- O Perfeccionismo Obstrui a Felicidade – Manipulação de Emoções
“Para viver plenamente, para aumentar sua consciência, para aumentar continua e totalmente a capacidade de vivenciar plenamente as emoções vocês não precisam ser perfeitos desde já. Tudo o que se tem a fazer é olhar para dentro e avaliar o que vocês vêem, fazer escolhas interiores, o que pressupõe flexibilidade para mudar. Se isto acontecer, vocês se tornarão menos imperfeitos, mas somente se aceitarem a imperfeição.”
28-Falsas impressões dos Pais– Suas Origens e Sua Cura
“O amor que vocês recebem não é o mais importante. É da força do amor em seus corações, que é o sangue espiritual da vida, que vocês precisam. Essa é a força que guia de uma maneira boa e saudável, que dá sentido à vida. Sem essa capacidade de amar, suas vidas serão vazias, sem sentido, banais.”
29-A Defesa
Quando estão mais ou menos em permanente defesa devido à crença errônea causada de que qualquer dor ou frustração, qualquer crítica, qualquer rejeição seja um perigo contra o qual devem se proteger, vocês limitam seus sentimentos, os potenciais da sua criatividade, a habilidade de expandir-para a vida e de comunicar-se com os outros, de amar e compreender, de sentir e de expressar-se.”
30-O Intelecto e a Vontade Como Instrumentos ou Obstáculos da Auto-realização
“O amor só pode vir a existir quando você se livra de seus erros, das suas confusões,  de suas idéias preconcebidas e da sua dependência da opinião alheia. Esses obstáculos só podem ser removidos pela sua compreensão integral.Então o amor pode existir por si mesmo, assim como o Eu Verdadeiro adquire existência por si mesmo”.
31-As Várias Fases do Relacionamento do Homem com Deus
“Nada no mundo é tão valioso quanto cada pequeno passo que cada pessoa dá em direção ao maior autoconhecimento. O desejo sincero de encarar a verdade de si mesmo, a realidade que é a de vocês no momento presente, é a única maneira de ajudar a si mesmo e de ajudar a melhorar a situação em toda parte.”
32- Conexão – Tristeza X Depressão
“Se você foge de si mesmo, como pode querer comunicar a outros aquilo que você não ousa reconhecer para si mesmo? Então você viverá em isolamento e frustração. É por isso que nos preocupamos tanto, em nosso trabalho de autotransformação, com que você aprenda a admitir a verdade para si mesmo. Somente então poderá começar a ter relacionamentos reais e viver uma vida plena.”
33- A saúde  espiritual  e   emocional  pela reparação da culpa real
“Apenas quando tiverem a coragem e a humildade de ser o que são, de aceitarem-se calmamente tal como são, é que terão a flexibilidade de aceitar o eu inferior tal como este é de fato;  de aceitar as culpas reais e, então, repará-las. “
34-A identificação com o Eu
“Apenas quando tiverem a coragem e a humildade de ser o que são, de aceitarem-se calmamente tal como são, é que terão a flexibilidade de aceitar o eu inferior tal como este é de fato;  de aceitar as culpas reais e, então, repará-las. “
35-Luta – Saudável ou Doentia
“Nenhum de vocês jamais vai encontrar uma dificuldade que não tenham força suficiente para vencer. Não duvidem dos recursos que existem na alma de vocês. Acionem esses recursos interiores. Isso dará força a vocês, em lugar de dependerem do que vem de fora. Toda espécie de bênçãos e ajuda divina de qualquer tipo são possíveis unicamente por meio de vocês, por meio da força que já existe em vocês, que está dormente em seu interior.”
********************************************************************************************************************************
CONCLUSÃO E NOTA DO BLOG
Quando a gente entra no caminho da espiritualidade “séria”, ou seja, comprometida com nossa transformação interna (e não externa, baseada em laços sociais, econômicos, um “upgrade” no visual ou apenas para botar um freio  em certas atitudes) nos deparamos com o desafio de encarar a nós mesmos, seja através dos nossos demônios internos, ou através de alguém (o mundo como espelho nos traz alguém próximo e a quem você não pode evitar, seja um filho, marido, esposa ou alguém muito chato). Isso pode ser o Universo nos mostrando nossa IMAGEM. O que o Pathwork nos mostra é como acessar essa imagem e como disassociá-­la de sua essência. Segundo o site brasileiro do sistema, o “Pathwork é um caminho para a autotransformação pessoal e autorrealização espiritual, direcionado às pessoas que buscam um relacionamento mais verdadeiro consigo próprias e com a vida. Inclui uma compreensão profunda da negatividade pessoal para dissolver velhas crenças, condicionamentos e imagens errôneas”. A proposta incentiva a parar de tentar fingir que somos uma imagem idealizada de nós mesmos, a pessoa que pensamos que deveríamos ser. Trata-­se de um modo prático, honesto e racional de passarmos de onde estamos para onde queremos estar.Na questão da nossa auto-­imagem, é importante saber que não se refere à persona, a máscara que criamos pra sociedade. Não é (só) sua profissão, não é (só) como você se apresenta, mas é principalmente sua auto-­imagem inconsciente, como você ACREDITA que é e não como procura ser. Isso é importante pois, quando identificamos nossas falhas e procuramos superá-­las podemos esbarrar no famoso “eu tentei de tudo, mas não tem jeito: eu sou assim”. O Guia do Pathwork fala que apenas a vontade externa é insuficiente. É preciso mergulhar na alma, pois geralmente formamos o que somos na infância, através de IMPRESSÕES, ou seja, reações emocionais e conclusões sem muita elaboração, formadas sem a experiência e o embasamento de um adulto e, à medida que os anos vão passando, estas conclusões e atitudes afundam cada vez mais no inconsciente, moldando, até certo ponto, a nossa vida e continuam a influenciar mesmo depois que analisamos a questão críticamente. Tal conclusão do passado é chamada de IMAGEM. Como saber que estamos presos a tais imagens? Quando você tem um problema e sabe que não é possível superá-­lo, por mais que queira ou tente, por mais que saiba que isso lhe traz problemas. O Guia fala que as pessoas às vezes amam algumas das suas faltas. Mas por que? Pela simples razão de que, de acordo com essa imagem, certas faltas se revelam como uma medida de defesa ou uma capa protetora. Òbviamente, este é um raciocínio inconsciente. Por isso que o esforço consciente para superar esta falta torna­-se infrutífero. E será assim até que a Imagem seja reconhecida.A maioria das vezes uma imagem é antiga e tem sido trazida de uma vida para a outra , o que pode tornar o diagnóstico mais difícil, mas analisar o contexto kármico é de grande ajuda. Quando uma imagem existe, vinda de vidas passadas, a encarnação ocorre num ambiente em que haverá provocações à Imagem já existente (ou seja, fará a Imagem ser reativada nessa vida) devido a imagens parecidas nos pais ou em outras pessoas ligadas à criança em crescimento. Sómente assim, é que a Imagem fará emergir o problema, e só quando se torna um problema é que a pessoa presta atenção ­ e, espera­-se, busque a solução ­ ao invés de desconsiderá-­la. Se a pessoa continuar ignorando o problema, as circunstâncias na próxima vida serão muito mais difíceis, e assim por diante, até que os conflitos se tornem tão desesperadores que nenhum fator externo possa mais ser considerado responsável. Este é o momento em que a pessoa começa a inverter seu movimento, indo para cima e para dentro.É preciso quebrar o orgulho; A vontade do ego que diz “Eu não quero o risco da vida, eu não quero a dor da vida; conseqüentemente, eu atraio esta conclusão que parece, para mim, ser a salvaguarda contra isto”. Mas isto não é uma salvaguarda, pois lhes trará problemas muito maiores do que aqueles de que  estamos tentando escapar, pois a vida não pode ser trapaceada.  È o ditado famoso; “Deus escreve certo por linhas tortas”. Se não fosse assim, nós nunca poderíamos sair da miséria dos obscuros planos inferiores, pois de lá ninguém pode realmente nos tirar a não ser nós mesmos. Sómente quando começarmos a encarar as nossas conclusões errôneas e nossos medos, e estivermos prontos para aceitar a vida como ela é, é que seremos capazes de curar a nossa alma. Só quando tivermos renunciado a uma parte da vontade do ego que quer negar a vida na sua forma presente, a forma que é necessária para o nosso desenvolvimento. Só então teremos adquirido a humildade de não querermos ser protegidos dos riscos e durezas da vida. Riscos que só deixarão de ser necessários quando nós pudermos, sem temor, aceitá-­los e nos responsabilizar por eles.
EQUIPE DA “LUZ É INVENCÍVEL”
*******************************************************************************************************************************************
*************************************************************************************************************ALGUNS LIVROS SOBRE O MÉTODO PATHWORK
Fundação Pathwork Brasilwww.pathworkbrasil.com.br




***************************************************************************************************************
Bibliografia para consulta
1-O Caminho da Autotransformação
Eva Pierrakos
2-Criando União-O significado espiritual dos relacionamentos-
Eva Pierrakos
3-Não temas o mal
Eva Pierrakos
4-Complete Lectures of Pathwork
Eva Pierrakos
5-Entrega ao Deus Interior
Eva Pierrakos
Divulgação: A Luz é Invencível
https://portal2013br.wordpress.com/2015/08/16/chaves-para-o-autoconhecimento-e-a-cura-o-metodo-pathwork-nona-parte/

domingo, setembro 13, 2015

Om Shree Dhanvantre Namaha -Mantra Healing/Cura


Om Shree Dhanvantre Namaha (Cura)
Saudações ao ser e do poder do Curador Celestial.
Este mantra nos ajuda a encontrar o caminho certo para a cura, ou nos direciona para a correta prática de saúde.


Na Índia também é comumente cantado durante o cozimento para que o alimento a ser carregada com vibrações de cura - seja para prevenir doenças ou ajudar na cura para aqueles que estão doentes. Este mantra pode ser entoado em qualquer situação que um gostaria de ser curado ou remediado.
 
http://mantras-mandalas.blogspot.pt/2012/04/mantras-for-precarious-times-deva.html